Home / Análise / Análise: Turok volta com melhores gráficos e muita diversão

Análise: Turok volta com melhores gráficos e muita diversão

Produtora: Night Dive Studios / Data: 17 dez 2015 / Gênero: Ação/Aventura / Plataforma: PC

Lembro muito bem de Turok no Nintendo 64. Era um jogo fantástico entre meus amigos e podíamos passar horas explorando aquele mundo surreal. A Acclaim, que era referência na época, comprou os direitos de algumas HQ’s e logo se puseram a fazer a adaptação de Turok, que sairia em 1997. Agora com a remasterização de Dinosaur Hunter e Seeds of Evil me vejo novamente naquela época, com uma sensação inexplicável de pura nostalgia.

03

Turok remasterizado no PC mostra a evolução que o FPS sofreu no passar dos anos. Lembrando que o primeiro jogo produzido pela Iguana Entertainment revolucionou o gênero mostrando um mundo mais amplo, denominado Lost Land. Isso transformou o jogo em um clássico e garantiu algumas sequências, trazendo o emblemático índio a diversas épocas da história.

O jogo não traz nada de novo, é apenas uma remasterização fiel ao original. Sua jogabilidade continua a mesma e o gameplay ainda é divertido, como fora nos anos passados. Os gráficos melhoraram muito e isso ajuda ainda mais na aventura. Agora podemos ver os inimigos com maior clareza, mesmo quando estão distantes e mesmo com o nevoeiro, tão especulado na época, ainda presente, a visão do jogador alcança uma distância maior antes de chegar a ele.

02

Uma das coisas que precisamos tomar mais cuidado é o auto-save, agora ficou mais complicado e não podemos simplesmente ir avançando para ver no que dá, é preciso ter muito mais atenção.

Todo aquele acumulo de armas ainda está presente, desde o arco e flecha até as armas de raio alienígenas. Há também power-ups de defesa como armaduras e mochilas que ajudam a carregar um número maior de munição. O que temos de volta, também, são os poderes espirituais que em algumas vezes nos torna invencíveis.

01

A Night Dive Studios fez um ótimo trabalho em remasterizar o jogo. Recebemos aquilo que nos deram em 1997, um jogo que não exige qualquer tipo de estratégia, é só sair correndo e atirando até chegar ao fim de uma fase. Talvez ainda não valha o preço que está sendo cobrado, pois não é aquele jogo no qual você vai passar horas jogando, mas se o que procura for um oldschool no qual vai se divertir e possivelmente lembrar-se de tempos passado, vai valer cada centavo.


Sobre Tadeu Elias

Aspirante a jornalista metido a cinéfilo que só fala de games!

Veja também

steep home

Análise: Vale a pena comprar Steep?

Queridos amigos e amigas, Steep foi uma das surpresas da Ubisoft em sua apresentação na …