Home / Notícias / O fim da internet no Brasil

O fim da internet no Brasil

Olá caros leitores e leitoras do canal, esta matéria é sobre a limitação da internet fixa, que veio a ser notícia nas últimas semanas com anúncio de uma operadora que irá iniciar tal limite, vindo, possivelmente, a cobrar com pacotes, franquias no excedente.

Após ver algumas matérias, muitas delas repetidas, falando sobre os dados de consumo se usar Netflix (coisa que nós seres humanos que curtem seriados não estamos vivendo sem), é fácil notar que causou desespero e a mobilização de muitas pessoas e com uma certa razão.

O consumo do serviço de internet está aumentando em larga escala, devido a rotatividade de informação, aplicativos de filmes e nosso mundo gamer que nem era preciso citar: com a internet oferecida hoje (má qualidade ao extremo), não usamos metade dos recursos que os aparelhos oferecem.

Veja por exemplo o Playstation 4 com o share play, que não funciona se você tem uma internet de 10mb (falo por experiência própria), mesmo que no site da Sony indique que tal sistema funcione com a internet na velocidade de 2Mbps.

O share play para que não sabe é um sistema utilizado no PS4 onde um usuário manda convite para outros usuários, após o aceite e a conexão entre eles estabelecida, é possível que os convidados joguem sem se quer que tenha o jogo de quem o convidou, podendo até mesmo jogar no lugar do mesmo. Tal ligação entre os usuários fica pelo tempo de até 60 minutos em contagem regressiva (se alguém aí já conseguiu comenta e por gentileza deixa as dicas). Para quem quiser saber mais, basta clicar no link.

Tem mais, você compra um jogo em mídia física, mas aí se depara com a atualização de 50 gigas, muito bom isso né!? Sem contar expansões de outros jogos que aparecem sem mais nem menos quando você está fazendo download de algo.

Você YouTuber que gosta de postar seus paranauê de jogos ou ser Thug Life dos vídeos, uma notícia para tu: “já era! ”. Vídeos postados em ultra mega master blaster HD, também já era, vai voltar para o VGA e olhe lá, sabe o que é VGA? Acho que vai ter que procurar saber a partir de dezembro.

Em contrapartida, acho que você gamer consumidor não sabia, mas a maioria das operadas já limitava sua internet. Por exemplo, minha internet tem limite no contrato, e prevê a redução na transmissão de dados caso exceda 80 gigas (mas ela é tão ruim que nunca percebi tal redução).

Mas, entretanto, contudo, quando tal limite chegar o que as operadoras irão fazer? Cobrar provavelmente uma franquia. Sendo que isso ainda não ficou bem claro, por isso podemos observar na matéria do G1 que o MP (Ministério Público Federal) está de olho na situação abusiva em que estão querendo colocar a todos nós consumidores, solicitando que as empresas se expliquem.

Agora vamos aos fatos: a internet no Brasil é regulamentada pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), tal Órgão já se manifestou favorável à aberração, o que favorece a limitação que está para ser imposta.

Tudo leva a crer na possibilidade de monopólio (vedado por lei), já que Vivo adquiriu a GVT, a NET a Claro e a OI a Velox, todas agora com Tvs por assinatura, e com uma pedra no sapato o Netflix, que tem assinatura baixa, e agora no modelo pré-pago (você adquire um cartão em qualquer supermercado, livraria renovada e já está apto a se deliciar nos sistema), com muitas opções de seriado, filmes, fazem com que as pessoas deixem de comprar pacotes mais caros de TV e utilizem mais a internet para ver suas séries pagando menos.

A única empresa que vende internet que diz que não irá limitar a internet é a TIM, mas até quando irá resistir à pressão comercial, coincidência ou não única que não vende planos de TV.

Há quem diga que as empresas querem equilibrar a navegação, pois aqueles que compram pacotes mínimos pagam por aqueles que tem o serviço com maior velocidade, o que não tem muita lógica até mesmo porquê, a maioria adquiri combos para baratear serviços e acabam muitas vezes nem utilizando totalmente a internet.

Sabemos também que muitas pessoas que alugam acabam contratando os combos e racham entre vizinhos, o que acaba desmentindo as empresas. Esse tipo de prática gera muito desconforto e prejuízo as empresas, podendo ser um motivo.

A verdade é que não temos Leis ou qualquer tipo de ordenamento jurídico que regulamente a finco a matéria, mas temos no Código do Consumidor para buscar uma solução:

“Art. 6º São direitos básicos do consumidor:

III – a informação adequada e clara sobre os diferentes

produtos e serviços, com especificação correta de

quantidade, características, composição, qualidade,

tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos

que apresentem; (Redação dada pela Lei nº 12.741, de

2012) Vigência”.

O Ministério Público com certeza deve estar utilizando o artigo acima para questionar as empresas prestadoras do serviço de internet. Tais empresas não poderão modificar os serviços ou fazer qualquer tipo de alteração em seu plano sem um prévio aviso. Então fiquem de olho no consumo, se observar mudanças na internet e verificou que está sendo lesado, procure o PROCON e denuncie.

Para saber sobre seu consumo as empresas devem ter o serviço para verificar o consumo, a Net em seu site disponibiliza o consumo mensal, como podemos ver um exemplo abaixo:

matéria

Em uma nota que está elencada na matéria acima, a Net se pronunciou a respeito, dizendo que será uma melhoria ao consumidor, e que é um modelo utilizado em outros países, conforme a matéria do site GIZMODO, de 2011 (infelizmente não encontrei nada mais recente), que relaciona países em todo mundo com o limite, e quais são seus limites.

Em 2011 nos Estados Unidos, por exemplo, o limite era de 250 gigas, em uma época onde a qualidade dos vídeos, músicas e a gama de aplicativos era muito inferior a de hoje. Havia a possibilidade de chegar a um número alto de gigas consumidos, hoje em dia tal quantidade chega a ser apenas razoável.

O Brasil galera, sempre vai na contramão da evolução tecnológica, sempre nos limitando e arrumando uma forma de gerar mais dinheiro e cobrar mais e mais

impostos, taxas, com acordos como estes que lesam o consumidor. Já temos uma internet de qualidade duvidável, onde não recebemos o que realmente foi contratado e oscila demais. O serviço tem um índice de reclamação gigantesco.

Conclusão, estamos a todo momento sendo manipulados feito marionetes do sistema que é falho e corrupto, e temos que pagar toda essa conta da corrupção em tudo que consumimos, sendo privados de tudo que nos dá prazer, mesmo que seja momentâneo.

Imagine quantas empresas irão ter prejuízo com tal medida, quantos de nós que trabalham informalmente tilizando a internet, fora quantos de nós gamers iremos deixar de jogar, ver filmes, escutar músicas, entre outras atividades

Tudo hoje é relacionado ao mundo virtual, até mesmo seu imposto de renda, que ao ser transmitido devemos alegar que não foi possível, pois o pacote da internet ultrapassou o limite mensal.

Pessoal, há várias petições e abaixo-assinados sobre o assunto. Não deixe de se mobilizar, reclamar, repasse as informações a colegas, parentes, e fazer um grande ato contra esse absurdo.

Está parecendo que as empresas em comum acordo com o governo estão querendo criar pessoas com menor poder de informação, nos impedindo de tomar conhecimento, parece até Teoria do Caos.

Vamos continuar aqui lutando contra esta aberração, pois somos apaixonados por games, afinal somos todos gamers.


Sobre Maicon

Bacharel em Direito, amante de jogos antigos, metaleiro, rockeiro.

Veja também

vr-gamer-03

Com foco em VR, casa em São Paulo promete retorno triunfal dos fliperamas

Já pensou ficar cara a cara com um zumbi enquanto experimenta o terror de ter …