Home / e-Sports / Falhas na organização fazem com que equipe profissional desista da final e desfaça time de CrossFire

Falhas na organização fazem com que equipe profissional desista da final e desfaça time de CrossFire

crossfireA paiN Gaming anunciou no fim da última semana o fim da sua line-up de CrossFire, uma das mais tradicionais do País e se abstém da disputa da Grande Final do Campeonato Brasileiro de CrossFire. Em atitude de protesto contra a postura adotada pela Z8 Games, publisher do jogo, segundo a paiN Gaming diversos problemas surgiram e acabaram sendo preponderantes para a decisão da organização.

Os atletas da paiN Gaming vinham reclamando da falta de profissionalismo por parte dos organizadores dos campeonatos oficiais de CrossFire no Brasil há algum tempo: exemplo disso é o Desafio CrossFire. Nesta competição, de acordo com a publisher, é irregular a participação de equipes profissionais que não estejam com a sua line-up titular e a paiN Gaming, inclusive, não participou por não conseguir reunir todos os seus atletas. No entanto, diversas equipes disputaram a competição com um time misto, mesclando jogadores titulares, reservas e outros. Mesmo com reclamações oficiais dirigidas à Z8 Games, a paiN Gaming continuou impedida de disputar, sendo que outras equipes também estavam na mesma situação.

Existe uma diretriz no contrato firmado entre os jogadores profissionais e a Z8 Games que diz que atletas profissionais são proibidos de divulgar informações sobre outros jogos. O atleta Alex “afc” Costa lembrou que um atleta da paiN Gaming foi punido por divulgar um post, em sua página, sendo que tantos outros jogadores profissionais, de outras equipes, constantemente divulgam promoções relacionadas a outros jogos e saem ilesos de punições por parte da publisher.

maxresdefault-5A gota d’água que fez com que a paiN decidisse dispensar os jogadores e acabar com a line-up de CrossFire aconteceu durante os preparativos para o CrossFire China Qualify, evento que aconteceu em São Paulo na última semana.

No dia 19 de maio a paiN Gaming recebeu um convite para participar do classificatório nacional para o Campeonato Mundial de CrossFire. No e-mail, a Publisher do jogo fazia diversas exigências e uma delas era a data limite para a apresentação dos documentos e passaportes dos jogadores – “Menos de 10 minutos depois do recebimento do e-mail todos os passaportes e documentos solicitados foram enviados e confirmaram a nossa participação no evento”, diz a organização.

No dia 25 de maio, o TEAM INNOVA também confirmou a sua participação, tirando o passaporte em dois dias – dentro das regras estipuladas e respeitando o que foi pedido pela publisher. O INNOVA, inclusive, convocou um jogador reserva para o lugar do titular AVG, porque o mesmo não teria tempo suficiente para providenciar seu passaporte.  No mesmo dia, Carlos, responsável pela Publisher, informou por e-mail que os prazos de inscrição não seriam alterados para nenhuma equipe.

Outras três equipes brasileiras, excluídas da competição por não conseguirem reunir as documentações no prazo determinado também entraram em contato com a Z8 Games para pedir mais tempo para apresentar as informações mas também foram avisadas de que o prazo não seria aumentado “de forma alguma”.

 No dia 30 de maio recebemos um e-mail confirmando a o confronto paiN x INNOVA, em melhor de 5, disputado presencialmente no dia 11/06. Desde então, voltamos a nossa preparação exclusiva pra esse jogo, inclusive deixando o CBCF como nosso objetivo secundário.

 Após rumores trocados entre jogadores e equipes, no dia 03 de junho, a Publisher, confirmou a participação da INTZ no classificatório, ainda que eles ainda não tivessem o passaporte em mãos.

No dia do evento, de acordo com os atletas da paiN Gaming, não havia nenhum juiz inspecionando os jogos do classificatório e o atleta afc percebeu que alguns jogadores da INTZ estavam olhando para o telão e passando informações de onde estavam os jogadores da paiN no mapa. Esta informação foi confirmada por jogadores da INNOVA, que assistiam ao jogo in-loco e também pelos narradores e comentaristas, que perceberam a atitude antiesportiva dos atletas da INTZ.

Os atletas de CrossFire da paiN Gaming serão dispensados e a line-up, extinta. O jogador Felippe “Felippe1” Martins foi contratado por uma equipe portuguesa e passará a disputar as competições de Counter Strike: Global Offensive do cenário europeu.

“A paiN, respeitosamente, lamenta a sequência de fatos narrados acima e espera que o cenário brasileiro de eSports seja tratado com seriedade pelos envolvidos: times, publishers, jogadores e patrocinadores, buscando sempre a profissionalização do segmento.”

 Saiba mais sobre a paiN Gaming – www.pain.gg/midiakit


Sobre Diego Silveira

25 publicitário e apaixonado por games e música. Nostálgico, adora consoles retrô e tatuou um controle de Super Nintendo no braço para lembrar a infância. Consome doses cavalares de pizza e café, além de beber feito um viking. PSN: oPatto

Veja também

vr-gamer-03

Com foco em VR, casa em São Paulo promete retorno triunfal dos fliperamas

Já pensou ficar cara a cara com um zumbi enquanto experimenta o terror de ter …